h1

Chegada á meta no atletismo: Que parte do corpo?

Agosto 21, 2008

Com a febre dos olimpicos muitas são as chegadas á meta, e em muitas delas torna-se complicado avaliar qual dos atletas foi o primeiro.

Todos os desportos de alta competição são altamente regulamentados. Para a maior parte das pessoas é desconhecido esse mesmo regulamento de chegada á meta, e são levados a pensar que basta passar com qualquer parte do corpo.

Mas na verdade o juri considera o torso como critério para a chegada, e não a cabeça, mãos ou os pés. Esta é a regra nº 164 do IAAF (Internacional Association of Athletics Federations): 

RULE 164
The Finish
1.  The finish of a race shall be denoted by a white line 5cm wide. 
2.  The athletes shall be placed in the order in which any part of their
bodies (i.e. torso, as distinguished from the head, neck, arms,
legs, hands or feet) reaches the vertical plane of the nearer edge
of the finish line as defined above.

                                                       IAAF Competition Rules 2008

Agora percebem o porquê de se debruçarem, quase ao ponto de cair, sobre a meta…

Shelly-Ann Fraser wins the 100m by more than two metres to lead a Jamaican medal sweep with Sherone Simpson and Kerron Stewart sharing the silverDoha, Qatar, 12 May 2006 - 100m photo-finishPhoto Finish picture Montgomery World Record

h1

O mito dos milagrosos abdominais!

Agosto 16, 2008

 

Muita gente ainda acredita que para se perder a famosa barriguinha se usa a velha receita mágica denominada de abdominais. É frequente em conversas corriqueiras o uso dos abdominais como forma de perder a “barriguinha”. Quem é que nunca escutou conversas como esta: “ Épa, estou com uma barriguinha, vou ter de fazer uns abdominais para resolver isto”. Com certeza que muitos de vós já ouviram tal parvoíce.

Será mesmo indicado os abdominais para se perder a barriga?

Uma das respostas que frequentemente eu dou é um pouco anedótica, pois quando sou constatado com tal afirmação eu respondo logo que, com abdominais vais passar a “cagar”  e a respirar melhor, pois como sabem os abdominais, além de muitas outras funções, são um musculo respiratório e que ajuda na hora de irmos ao WC.

Para se conseguir perder gordura de forma significativa é necessária actividade física aeróbia prolongada e não apenasumas simples séries diárias de abdominais.

Mas para os mais cépticos, que pensam que por fazer abdominais estão a “queimar” gordura na barriga (talvez induzidos pela proximidade entre os abdominais e a barriga), mostrarei de forma simples que a gordura se perde de forma generalizada e não apenas e somentena barriga.

Passo a explicar : no nosso corpo existem diversos reservatórios lipídicos também chamado de  tecido adiposo, e a tal “barriguinha” não passa disso mesmo, um reservatório de lipídos ou triglicerideos. Se é um reservatório (reserva), logo, o nome indica que o seu uso é para alturas de necessidade energética, e não são mobilizados  a nível localizado mas sim a um nível global do corpo, ou seja, quando o nosso corpo se encontra em exercício físico estamos a consumir energia(ATP) em todos os músculos solicitados, assim sendo vai passar a existir uma necessidade físiológica de obter mais energia para os músculos que estão a ser solicitados, sendo uma das fontes energéticas que possuímos, entre outras,  os lipídos, que se encontram armazenados em forma de triglicerideos por todo o corpo. Então, quando há necessidade energética, é através de uma enzima denominada lipase produzida no pâncreas,  que os triglicerideos da massa adiposa  armazenados são decompostosem AG(ácidos gordos) + Glicerol, sendo estes posteriormente  enviados para a corrente sanguínea que os canaliza para os músculos em actividade, e ai é transformada em energia (ATP).

Posto isto, o nosso corpo quando necessita de energia não vai apenas a um reservatório mas sim a todos pois a lipólise( transformação dos triglicerideos armazenados em AGL + Glicerol) irá acontecer a nível global e não localizado pois a enzima responsável por a decomposição das gorduras ( lipase) que é produzida no pâncreas, irá entrar  na corrente sanguinea e não irá actuar apenas num local mas sim em todos onde existirem os tais reservatórios de lipidos. A nossa amiga enzima lipase quando entra na corrente sanguínea não sabe que o dono apenas quer perder barriga!!!!E a taxa mais alta de uso de lipídos por o nosso corpo como fonte energética apenas se consegue com exercício predominantemente aeróbio e de duração prolongada e não apenas com uns abdominais.

h1

A famosa caminhada!

Agosto 15, 2008

A caminhada é o primeiro passo para a pessoa deixar de ser sedentária. É uma actividade física aeróbia de baixo impacto, barata e fácil de ser executada. Não exige nenhuma habilidade física em especial e não ocasiona nenhum dano físico importante. 

Caminhar alivia as tensões, traz prazer e bem-estar, ajuda a controlar o peso e fortalece os músculos e o coração. É uma actividade simples que, feita de forma programada, proporciona excelente condicionamento físico.

Na preparação para a caminhada, deve estar incluída uma série de alongamentos.

 

Alguns conselhos para a caminhada

o       Usar roupas leves, claras (se caminhar durante o período de sol), confortáveis e de tecido que absorva a transpiração.

o       Usar calçado adequado. Deve estar bem ajustado para não ocasionar fricção inadequada em áreas de maior atrito.

o       A velocidade e a duração do exercício, no início, devem obedecer a um programa determinado, personalizado e orientado por um professor de educação física.

o       A frequência do pulso (que é a dos batimentos cardíacos) é que determinará a velocidade ideal da caminhada.

A frequência cardíaca na actividade aeróbia deve ficar entre 65% e 80% da frequência cardíaca máxima e o exercício deve ser feito por cerca de 30 minutos. Deve ser calculada da seguinte maneira:

220 – idade da pessoa = frequência cardíaca máxima (FCM)

FCM x 0,7 = frequência cardíaca ideal durante a actividade aeróbia

 

 

 

 

h1

Que profissionais são recomendados para orientar um programa de exercícios físicos?

Agosto 15, 2008

O planeamento e o acompanhamento da actividade física pode ser feito pelo médico. Outros profissionais de saúde – especialistas em fisiologia do esforço, enfermeiros, profissionais de educação física, nutricionistas, fisioterapeutas – podem contribuir muito para a orientação de cada caso.

A orientação sobre como executar os exercícios de forma correcta é fundamental. Só desta forma serão evitados os riscos de lesões (joelhos, quadril, coluna vertebral etc.) que podem ocorrer em todas as idades, mesmo nos jovens, prejudicando-os, às vezes, para o resto da vida. 

Mas, só cada um, com a sua força de vontade, disciplina e bom senso, é o principal responsável pelos resultados. É quem vai transformar, através da actividade física, o seu dia-a-dia numa fonte constante de prazer e participação.

h1

Benefícios da Actividade Física

Agosto 15, 2008

A actividade física realizada na maioria dos dias da semana melhora a saúde nos seguintes aspectos, segundo a OMS:

·      Reduz o risco de morte prematura.

·      Reduz o risco de morte por doença cardíaca.

·      Reduz o risco do desenvolvimento de diabetes.

·      Reduz o risco do desenvolvimento de hipertensão arterial.

·      Auxilia na redução do nível de hipertensão nas pessoas que já a possuem.

·      Reduz o risco do desenvolvimento do cancro de cólon.

·      Reduz sentimentos de depressão e ansiedade.

·      Auxilia o controlo de peso.

·      Ajuda a construir e manter saudáveis ossos, músculos e articulações.

·      Ajuda os idosos a se tornarem mais fortes e mais aptos a se locomover sem cair.

·      Promove bem-estar psicológico.

 

                   “Os que não encontram tempo para o exercício terão de encontrar tempo para as doenças.”
                                                                                                                                            Edward Derby

h1

Para que serve a insulina?

Agosto 15, 2008

Para funcionar, as células do corpo necessitam de energia e calor, obtidos através da conversão dos alimentos. Tais alimentos são constituídos de três nutrientes principais: hidratos de carbono, cuja transformação liberta glicose (açúcar) no sangue, proteínas (que fornecem aminoácidos) e gorduras, que se degradam em ácidos gordos.

A energia pode ser retirada dessas (três categorias de alimentos, porém os hidratos de carbono são mais importantes pela rapidez e facilidade de conversão. A glicose fica armazenada no fígado, que libera o açúcar para o sangue nos intervalos das refeições ou quando o organismo precisa de energia, mantendo sempre uma taxa constante em torno de 70 a 110 mg/dl.

A glicose, para penetrar na célula precisa de ajuda da insulina. O pâncreas é o órgão responsável pela produção desta. Esta hormona é responsável pela regulação da glicemia (glicemia: nível de glicose no sangue).

Para que as células das diversas partes do corpo humano possam realizar o processo de respiração aeróbia (utilizar glicose como fonte de energia), é necessário que a glicose esteja presente na célula. Portanto, as células possuem receptores de insulina que, quando accionados “abrem” a membrana celular para a entrada da glicose presente na circulação sanguínea. Uma falha na produção de insulina resulta em altos níveis de glicose no sangue, já que esta última não é devidamente dirigida ao interior das células.

Visando manter a glicemia constante, o pâncreas também produz outra hormona antagónica à insulina, denominada glucagon. Ou seja, quando o nível de glicemia cai, mais glucagon é segregado visando restabelecer o nível de glicose na circulação.

 Quando o nível de açúcar aumenta no sangue após uma refeição, a quantidade de insulina também aumenta, para que o excesso de glicose seja rapidamente retirado da circulação, voltando ao nível normal. A quantidade de insulina é constantemente renovada pelo pâncreas, pois a insulina utilizada sofre degradação, sendo eliminada.

Resumidamente a insulina funciona como um “shuttle” ou transportador dos glícidos para o interior da célula sendo uma hormona importantíssima no processo de regulação dos níveis de glicemia no sangue, assim sendo, quem não produz insulina (ex: diabéticos) o resultado será a falta de glícidos no interior da célula, consequentemente a não produção de energia nas células. E sem energia…..

 

 

 

 

 

h1

Veja como está o seu Indice de Massa Corporal (IMC)

Agosto 15, 2008

A obesidade claramente apresenta uma etiologia multifactorial, incluindo os factores genéticos, fisiológicos, ambientais e comportamentais, com consequências potencialmente devastadoras para a saúde podendo trazer patologias psicológicas. A prevalência de excesso de peso e da obesidade entre crianças e adultos parece estar a aumentar rapidamente em diversos países em todo o mundo, incluindo diversos países europeus.

Evite o sedentarismo e preocupe-se com a sua alimentação, são dois grandes passos para uma vida melhor.

Faz agora o teu teste de IMC e veja em que situação se encontra: 

IMC =   PESO (kg) \ ALTURA² (m)

Resultado:

CLASSIFICAÇÃO

    IMC (Kg\m²)

Risco de comorbilidade

VALOR NORMAL

    18.5 – 24.9

Baixo

 

 

 

EXCESSO DE PESO

     ≥ 25

 

           Pré – obesidade

    25 – 29.9

Aumentado

           Obes. Classe I

    30 – 34.9

Moderado

           Obes. Classe II

   35 – 39.9

Grave

           Obes. Classe III

    ≥ 40

Muito Grave

 

 

World Health Organization, 1998